Durante um evento realizado na última terça-feira, 26, o Ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu a possibilidade de um retorno do auxílio emergencial mediante um agravo drástico no cenário da pandemia da Covid-19 no Brasil. 

Segundo Paulo Guedes, o Governo Federal está apto a aderir a novas medidas capazes de estimular o setor financeiro, desde que o registro de óbitos pela Covid-19 continue crescendo no país e o Governo não obtenha êxito na campanha de vacinação contra o vírus. 

“Se a pandemia fizer a segunda onda, com mais de 1,5 mil, 1,6 mil, 1,3 mil mortes, saberemos agir com o mesmo tom decisivo, mas temos que observar se é o caso ou não”, comentou Paulo Guedes. 

Na ocasião, o ministro da Economia estava acompanhado do presidente da República, Jair Bolsonaro quando fez o respectivo relato.

Ambos participavam da abertura do evento “Latin America Investment Conference 2021: A New Decade, a New World”, promovido virtualmente pelo Credit Suisse. 

No entanto, embora os dados nacionais indicam um aumento significativo no número de infectados e de óbitos decorrentes do novo coronavírus, o ministro da Economia afirma que o atual momento é ideal para se fazer uma avaliação e descobrir se o aumento nos índices realmente aconteceu devido a fatores externos, como as eleições municipais e festas de fim de ano, ou se seria apenas um sinal consolidado da piora.

Na oportunidade, o ministro acrescentou que “se a doença voltar, temos um protocolo de crise, que foi aperfeitçoado”.

Ele também disse que o protocolo poderia prever uma cláusula de calamidade pública agregada à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo, a qual está em trâmite no Senado Federal desde o mês de novembro de 2019.

Protocolo pode bloquear a economia 

De acordo com o protocolo mencionado pelo ministro, a volta dos pagamentos do auxílio emergencial para a população brasileira em situação de vulnerabilidade social decorrente de uma segunda onda da Covid-19, poderá travar as despesas ao dedicar recursos para viabilizar novas edições do benefício.

Neste sentido, Paulo Guedes defende um estudo minucioso e cauteloso antes de acionar o “botão” do auxílio emergencial, uma vez que esta medida resultaria em novos sacrifícios de setores sociais. 

Além do mais, este procedimento também poderia ser utilizado futuramente em outras situações tão delicadas quanto a de agora.

“Não é só pegar dinheiro e sair correndo. Tem que fazer todo o sacrifício”, declarou. 

auxilio emergencial

Segundo Paulo Guedes, a intenção é que, diante de uma situação emergencial, como no caso de desastres naturais, ocorra um bloqueio de gastos no intuito de disponibilizar recursos a caráter emergencial. 

Ele também afirmou que o responsável por tomar a decisão sobre as especificações do protocolo de crise é o Conselho Fiscal da República, proposto na PEC do Pacto Federativo. 

“Quer criar o auxílio emergencial de novo? Tem que ter muito cuidado, pensar bastante, porque, se fizer isso, não pode ter aumento automático de verbas para educação, para segurança pública… É uma guerra. 

Vê se teve aumento de salário durante a guerra (na história), vê se teve dinheiro para saúde, educação… Não tem.

Aqui é a mesma coisa. Se tiver de apertar o botão aqui, vai ter que travar todo o resto ali. Tem de fazer todo o protocolo de sacrifício por anos”, relatou o ministro. 

Medidas de controle financeiro 

Visando um cenário onde seja necessário elaborar uma nova etapa de pagamentos do auxílio emergencial, o ministro da Economia defende aplicação dos chamados 3Ds no intuito de controlar as despesas: desindexação, desvinculação e desobrigação, com a continuidade das medidas capazes de impedir reajustes de servidores públicos, bem como a suspensão do aumento automático das verbas voltadas para a educação. 

Porém, Paulo Guedes também recordou que a estratégia inicial é dar continuidade e apoio à campanha de vacinação em massa da população brasileira e esperar pelos efeitos na redução dos impactos da pandemia da Covid-19, o que segundo ele, poderia permitir um retorno gradativo da atividade econômica. 

“Se as mortes descem, a vacinação em massa entra, economia de novo circulando… o correto é prosseguir com as reformas”, completou.

Por fim, o ministro Paulo Guedes reforçou o compromisso do Governo Federal com a agenda de reformas econômicas, além de cobrar o Congresso Nacional sobre o avanço da agenda de privatizações, autonomia do Banco Central, Reforma Administrativa e modernização de marcos regulatórios setoriais. 

Por Laura Alvarenga 

Fonte: Jornal Contábil 

  • Governo assina ordens de serviço para retomada de obras no Ceará
    O presidente Jair Bolsonaro participou hoje (26), em Tianguá, no Ceará, da cerimônia de assinatura das ordens de serviços para conclusão de três obras rodoviárias que estão paralisadas no estado. Os trabalhos serão conduzidos pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). O evento contou com a presença de ministros de Estado, parlamentares e autoridades […]
  • Sindicato quer permanência de agência do Bradesco no Ariston em Carapicuíba
    De acordo com o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, os comerciantes e a população da Cidade Ariston, bairro mais populoso de Carapicuíba, estão mobilizados na luta contra o fechamento de uma agência do Bradesco localizada na Avenida Comendador Dante Carraro, que o banco anunciou o fim das suas atividade para o dia […]
  • Bolsonaro visita obra de duplicação de rodovia no Ceará
    O presidente Jair Bolsonaro visitou na tarde desta sexta-feira (26) as obras do anel viário de Fortaleza e da duplicação de trecho da BR-222, que liga o município de Caucaia ao Porto de Pecém, na região metropolitana da capital cearense. Com investimento total de R$ 182,3 milhões, a obra contará com a implantação de novas pontes, substituição […]