No dia 15 de dezembro, a equipe Cobra Kai de Karatê Kyokushin de Carapicuíba, participou da Taça dos Campeões de Karatê Interestilos. O evento foi promovido pela Confederação Brasileira de Karatê Interestilos (CBKI), e teve a participação de mais de 1.500 karatecas.

A Cobra Kai é liderada pelo Shihan (mestre) Luciano Fernandez, é a atual campeã estadual. No campeonato de dezembro, ficou em segundo lugar sagrando-se vice-campeã nacional. Contudo na classificação geral a equipe ficou em primeiro, com isto foi a campeã geral de 2019.

Ao todo, a equipe levou cerca de 50 karatecas para a competição, desde a faixa branca até a faixa preta.

Atletas do Cobra Kai conquistaram primeiro e segundo lugar no Grand Prix Karatê, realizado em Setembro de 2019. 1º Thais Perleto e 2º Natalia Marques (Cobra Kai – Carapicuíba); 3º Valéria Cristina (Toeikan – Osasco) e 4º Agatha Cristina (Sokyokushin – Taubaté). Foto/Arquivo: Cobra Kai de Karatê Kyokushin

Cobra Kai

O Cobra Kai é uma ação social que existe desde 2002. Luciano esta a frente da equipe a pouco mais de um ano e seu trabalho já aponta vários atletas campeões. De acordo com ele a equipe é formada por diversos atletas.

Alguns vivem em situação de risco, em áreas de extrema insegurança social. Portanto, o karatê é muito importante para essa garotada visto que, é feito um resgate social ensinando diversos valores a eles, como disciplina, valores éticos e morais, além de ensina-los a valorizar a cidade em que vivem.

As aulas acontecem as terças e quintas às 19h e aos sábados às 9h, na Kolping da Paróquia São Lucas, na Av. Inocêncio Seráfico, 2450A – Vila Silva Ribeiro.

Atletas posam para foto ao lado do Shihan Luciano, no Troféu dos Campeões 2019, realizado em dezembro. (Foto/Arquivo: Cobra Kai de Karatê Kyokushin)

Projeto social necessita de apoiadores

Apesar de vencedor, o projeto não tem suporte para mais alunos. Segundo Luciano, faltam mais equipamentos e em alguns momentos até mesmo água falta para os atletas depois dos treinos.

De acordo com Thais (uma das atletas da equipe), os integrantes fazem uma “vaquinha” para arrecadar dinheiro e assim comprar o kimono dos alunos mais esforçados e necessitados. Ainda segundo ela, os alunos mais graduados e com condições auxiliam os mais novos a comprar materiais necessários.

Foto/Arquivo: Cobra Kai de Karatê Kyokushin

Conversamos com o Shihan Luciano sobre o projeto Cobra Kai e também sobre as dificuldades que ele encontra no dia a dia. Confira:

PC: Há quanto tempo existe a equipe Cobra Kai de Karatê Kyokushin? Há quanto tempo você esta a frente dele? Há quanto tempo você treina?

Luciano: A equipe existe em Carapicuíba existe desde 2002, porém o nome foi mudado para Cobra Kai a um ano. Estou a frente dele a pouco mais de 1 ano. Já eu tenho 43 anos, iniciei meus treinos quando tinha 10 anos, em 1986. Hoje sou faixa preta, 4º Dan.

PC: Poderia nos contar dos campeonatos que vocês participaram no ano de 2019?

Luciano: Em 2019, participamos de diversos campeonatos, e a Academia foi Campeã Estadual, vice-campeã Nacional e Campeã geral de 2019. É um sentimento incrível saber que estamos no caminho certo e que os alunos estão focados, determinados não só em vencer no esporte como também na vida.

Participamos de eventos no Ibirapuera, Pacaembu, Santo André, Itapecerica da Serra, Interlagos, além de Carapicuíba.

PC: Qual a faixa etária dos alunos? Há alguma mensalidade ou taxa de inscrição para o aluno? Soubemos sobre a arrecadação de mantimentos, que a academia faz. Qual a destinação desses alimentos?

Luciano: Para participar do projeto, o aluno deve ter a partir dos 5 anos de idade. Para a inscrição, pedimos um valor de R$10,00, que é encaminhado para a Kolping São Lucas. Em relação à mensalidade, solicitamos dos alunos 2 kg de alimento não perecível, que também fica a disposição da Kolping. Esses alimentos são todos doados aos necessitados.

Shihan Luciano em em Campeonato de Outubro (Foto/Arquivo: Cobra Kai de Karatê Kyokushin)

PC: Quais são suas maiores dificuldades encontradas no dia a dia, a frente do projeto?

Luciano: Hoje nossas maiores dificuldades são relacionadas aos equipamentos como: tatames, luvas, caneleiras, vestimentas para os alunos. Até mesmo água e frutas para os alunos falta. Infelizmente não temos apoio, temos dificuldade também no transporte dos alunos para os campeonatos.

PC: Caso algum empresário, comércio queira apadrinhar a equipe, como eles podem entrar em contato?

Luciano: Caso alguém queira nos apadrinhar ou patrocinar, peço que entrem em contato com o número 11 94173-4568. Também temos nossa página no Facebook, onde as pessoas poderão conhecer melhor nosso trabalho.

Comentarios

Comentarios